domingo, 31 de Agosto de 2008

Camarões à Moçambique

Hoje é o meu último dia de férias...
Para uma despedida em condições, à séria, escolhi estes camarões que vi no blog da Canela.
Ficaram mesmo, citando a Canela: «deliciosos, maravilhosos e fantásticos...».

Abri os camarões ao meio e retirei-lhes a tripa preta que têm no dorso (podem ler a saga da realização desta experiencia aqui, eu não saberia contar melhor. Para mim também não foi fácil nem agradável e acho ainda que a culpa não foi só da faca... lol!).

Depois, coloquei-os num tabuleiro de barro, lado a lado.

Numa tacinha, misturei margarina líquida com 4 dentes de alho picados, 1 malagueta (sem sementes), 1 colher de chá de paprika, pouco sal e 2 colheres de sopa de rum.

Misturei bem até conseguir uma pasta homogénea.

Com esta pasta barrei os camarões e, de seguida, reguei com o sumo de 1 limão.

Levei ao forno por cerca de 30 minutos.

Claro que uns meninos destes, mereciam acabar em beleza... com um companheiro especial!

Amanhã, começa um ano novo!

Espero que seja bem mais tranquilo do que o que passou...

sexta-feira, 29 de Agosto de 2008

Trouxinhas de Peru Recheadas com Delícias

Vi uns bifinhos como estes no blog da Rivera e fiquei curiosa por terem delícias do mar como recheio (não sou fã das ditas cujas), mas resolvi experimentar...
E não é que saíram bem bons?
Espalmei ligeiramente os bifinhos de perú e temperei-os com sal, pimenta, alhos picados e sumo de meio limão.
Deixei repousar, mais ou menos, 30 minutos.
Depois coloquei sobre cada bife 2 delícias do mar e 1 colher de sopa bem cheia de queijo da ilha ralado.
Enrolei os bifes, apertando bem o recheio, e prendi com palitos.

Temperei as trouxinhas com pouco sal, pimenta moída na altura, paprika e alho picado. Levei uma frigideira a lume brando com um pouco de azeite e 1 cebola às rodelas e deixei alourar um pouquinho.

Coloquei os rolinhos sobre a cebola, rebolando-os para cozinharem igualmente de todos os lados. Quando ficaram coradinhos, reguei-os com meio copo de brandy. Deixei-os cozinhar em lume brando, com o tacho tapado, durante cerca de 15 minutos.

Depois, deixei apurar o molho mais 5 minutos, com o tacho destapado e servi com batatas fritas e rodelas de tomate.

Vá! Podem tirar um, mas não se esqueçam de retirar os palitos (dá para ver que eu esqueci... pelo menos, antes da foto... lol!).

quarta-feira, 27 de Agosto de 2008

Creme de Cenoura e Laranja

Quando cheguei, descobri 1 frigorífico desfalcado: umas cenouritas e 2 laranjas (e pouco mais).
Lá fui espreitar o Cozinhas do Mundo (já é um hábito incorporado) e, desta vez, salvou-me o Vítor da Cozinha Velha (eu acho que é uma cozinha bem nova e modernaça...) com este belíssimo creme.

Numa panela pequena, coloquei um pouco de azeite, 2 dentes de alhos, 2 cebolas e 3 batatas aos pedacinhos e 7 cenouras às rodelinhas (todos lavados e descascados).

Cobri tudo com água e temperei com sal.

Deixei cozer bem os legumes.

Retirei do lume, reduzi a puré, com a varinha mágica, e juntei o sumo das 2 laranjas e um pouco de água, para obter a consistência de um creme.

Juntei coentros picados (sobreviveram porque ficaram no congelador!) e servi morno, quase quase frio.

Claro que a apresentação do Vítor é muito mais vistosa, mas eu não tinha cebolinho nem mais laranjas para cortar às rodelas...

É surpreendentemente delicioso... experimentem antes que o calor acabe!

terça-feira, 26 de Agosto de 2008

Já cheguei!...

Já cheguei!...
Desta vez andei por aqui, pertinho das nuvens:

e por aqui...

... e trouxe comigo um tacho de barro preto!

sexta-feira, 15 de Agosto de 2008

Cogumelos Recheados

Sou um bocadito viciada em gostar, usar e abusar dos cogumelos e dos camarões na minha cozinha!
Assim sendo, não resisti a uns Portobello lindos que teimavam em rir para mim (acho até que foram eles quem me chamaram)...

Limpei cuidadosamente os cogumelos, retirei-lhes a pele e o pé e escavei-os um bocadinho.

Numa frigideira anti-aderente, coloquei cubinhos de bacon e alhos picados e deixei fritar, em lume brando, na própria gordura do bacon (será a isto que o Cupido chama confitar?).

Depois juntei camarões descascados (já cá faltavam, não era?), os pés dos cogumelos cortados às rodelinhas e fritaram também um pouco.

Fora do lume, temperei com pimenta preta moída na altura (não usei sal) e juntei mozzarella em farripas.

Enchi as cavidades dos cogumelos e coloquei-os num pirex.

Levei ao forno, uns 10 minutos, para o queijo derreter.
Ficou uma entradinha bem deliciosa e bem cheirosa...
... e bem simples também!

quarta-feira, 13 de Agosto de 2008

Borrego Frutado

Aqui, em casa, só eu é que gosto mesmo do sabor da carne de borrego.
Não é por isso que deixo de a cozinhar, mesmo que veja algumas caretas pelo meio... lol!
Mais uma vez, (já usei caril e gengibre, ervas secas e hortelã e/ou vinho) tentei arranjar uma solução para aquele gosto/aroma tão caracteristico desta carne e que é provocador das tais caretas...

Fiz uma marinada com o sumo de 1 laranja grande, o sumo de 1 lima, o sumo de meio limão, meio copo de brandy, sal, pimenta preta, 3 dentes de alho às rodelinhas, 1 folha de louro e as cascas dos citrinos usados para fazer o sumo.

Deixei um pedaço de perna de borrego, cortado aos pedaços, nesta marinada, durante toda a tarde.

Num tacho, coloquei 1 fio de azeite, os pedaços da perna de borrego, as rodelinhas de alho que pesquei da marinada e deixei alourar muito levemente.

Juntei o liquido da marinada (com as cascas) e deixei ferver.

Polvilhei com uma mistura de ervas secas (alho, alecrim, segurelha, mangericão e tomilho).

Tapei o tacho e deixei cozinhar sobre lume brando, sempre com o tacho tapado, durante uns 40 minutos.

Destapei o tacho e deixei apurar o molho, mais um pouquinho.

Ficou bem diferente... Sentem o cheirinho?

Caretas... nem as vi!

segunda-feira, 11 de Agosto de 2008

Tarte de Chocolate Fenomenal da Anette

Vi esta tarte de chocolate no blog da Anette e deixei-me entusiasmar pelos seus comentários e pela foto do recheio que me pareceu de fazer perder a cabeça a qualquer amante de chocolate...
Usei uma base de massa quebrada já pronta, foi só colocar na tarteira, picar com 1 garfo e levar ao forno por 15 minutos (não foi muito boa ideia, a massa de bolacha da Anette nem deve ter comparação possível, mas as massas e eu...).
Pronto!... ficou aceitável.
Depois coloquei 300 ml de natas (1 pacote e meio), 2 colheres de sopa de açúcar e uma pitada de sal numa caçarola e deixei levantar fervura.
Assim que isso aconteceu, retirei do lume e juntei 125 g de manteiga (1 pacote pequeno) e 400 g de chocolate (2 tablettes Pantagruel), partidas aos quadradinhos.
Mexi até tudo ter derretido completamente.
Deixei arrefecer um pouco e misturei os restantes 100 ml de natas, mexendo até a mistura ficar macia e brilhante.
Deixei arrefecer mais um pouco, mexendo de vez em quando.
Deitei o creme de chocolate para dentro da base e deixei arrefecer.

Levei ao frigorífico cerca de 1 hora e aconteceu tal como disse/escreveu a Anette:

«Ao cortar estava cremosa mas sem escorrer, tipo manteiga no verão, fora do frigorifico!»

Se alguém quer provar, tem de se despachar...

... só há esta fatia!

domingo, 10 de Agosto de 2008

Academia de Livros

Em resposta ao interessante convite da Ameixinha, venho mostrar-vos o livro que acabei de ler e que se revelou uma agradável surpresa:

FILIPA DE LENCASTRE
A Rainha que mudou Portugal
de Isabel StilwellConheci a escritora Isabel Stilwell numa Mini-Feira do Livro que se realizou na minha escola, com o livro Histórias para Contar em 1 Minuto e 1/2, na qual participou como convidada.
Ela é jornalista e escritora, com um longo percurso na imprensa escrita e sempre se confessou apaixonada por romances históricos.
Desta vez pesquisou a vida de Philippa of Lancaster, mais tarde Filipa de Lencastre de Portugal, escrevendo uma biografia romanceada, que procurou manter muito próxima dos factos possíveis de apurar seiscentos anos depois.
É uma aventura de reencontro com o passado.

«A escritora lembrou-se de escrever sobre Filipa de Lencastre também por uma questão de afinidade: "Há uma ligação muito forte com o facto de eu pertencer a uma família inglesa e da minha mãe ser de Lancaster - exactamente da mesma zona de onde veio a Filipa - e também ter tido oito filhos, exactamente como a Filipa", admitiu.

"Não me identifico nada com o lado rigoroso e inflexível da Filipa mas identifico-me com o lado dela de mãe, de pessoa determinada a mudar o mundo para melhor, que é uma ideia para o qual eu fui muito educada a de que estamos cá para prestarmos um serviço", apontou a autora.

Na sua óptica, a melhor qualidade da rainha passava pelo facto de ser "muito leal e muito determinada".

"Ela tirou o partido da vida, não no sentido da vida hedonista, mas no sentido da construção - e isso é fascinante", rematou Isabel Stilwell.»

Para mim, este livro revelou-se um agradável mergulho no passado, levou-me a perceber melhor as formas de pensar e de estar na vida dos habitantes do século XV.

Quando estudamos História, são normalmente os homens que aparecem como lideres, contribuindo com grandes feitos e decisões para o caminho tomado. Achei muito interessante descobrir o papel que esta Mulher, sem nunca se sobrepor ao seu rei e marido, teve na mudança de rumo que Portugal tomou neste século.

Sei que nunca mais vou olhar para as chaminés geminadas do Palácio da Vila (em Sintra) com os mesmos olhos...

Espero ter despertado a vossa curiosidade e apetite para a leitura deste romance...

quinta-feira, 7 de Agosto de 2008

Petingas Fritas com Arroz de Tomate

Quando vos disse que estes aqui eram um dos meus pratos preferidos estava a esquecer-me completamente destas meninas...
... que adoro!

Só foi preciso arranjá-las (a Maria fez isso - tirou-lhes guelras e tripas), lavá-las, passá-las por farinha (sacudir o excesso) e fritar em óleo bem quente.

Como são pequeninas, é uma tarefa super rápida.

Acompanhei com arroz de tomate.


Não se deixem enganar com aquela meia dúzia que vêem no prato... essas eram só para a foto - lol.

É dificil parar quando se começa... desaparecem num instante, sem deixar vestigios!

terça-feira, 5 de Agosto de 2008

Jardineira de Choco e Camarão

Não costumo comprar chocos grandões, prefiro os pequenitos para grelhar ou fazer com coentros...
Com os grandões, normalmente, faço feijoada, mas hoje, com este calor todo, nem pensar!
Saíu então uma jardineira e, mais uma vez a panela de pressão, deu uma boa ajuda...
Na panela de pressão, deitei 1 fio de azeite, 3 dentes de alho picados, uma cebola grande cortada às meias-luas, 6 rodelas de chouriço de carne e deixei refogar um pouco.
Juntei cubos de choco fresco e envolvi.
Temperei com pouco sal, pimenta e paprika.
Deixei em lume brando, com a panela tapada (não trancada), durante 10 minutos.

Juntei 1 copo de vinho branco, 1 cubo de caldo de marisco e um pouco de água.

Depois juntei 1 pacote de ervilhas congeladas, 2 cenouras às rodelas e 4 batatas descascadas e cortadas aos cubinhos.

Tapei a panela de pressão e, depois de apitar, contei 10 minutos.

Destapei a panela e juntei 1 dúzia de camarões.

Rectifiquei os temperos e deixei apurar, mais ou menos, 5 minutos, com a panela destapada.

Polvilhei com um raminho de salsa e outro de coentros picadinhos.

Gostaram? Nós também...

domingo, 3 de Agosto de 2008

Frango Despreocupado

Não é bem o frango que está despreocupado, sou mais eu, porque hoje é Domingo e ainda para mais, estou com a crise de preguicite aguda que me dá sempre nos primeiros dias de férias...
Na panela de pressão, coloquei 1 fio de azeite, 1 colher de sopa de banha e 3 dentes de alho picados.
Deixei alourar.
Juntei 1 frango cortado em pedaços, temperado com sal, pimenta e paprika e deixei-o fritar, rebolando-o no azeite e banha quentes.
Quando todos os pedaços do frango ficaram loirinhos, reguei com meio copo de vinho branco e tapei a panela.
Deixei cozinhar por 15 minutos, depois de apitar.
Destapei, juntei alguns cogumelos frescos inteiros, dei uma mexidela e deixei que o molho apurasse durante mais 5 minutos.

Pronto! Mais fácil e rápido não sei se conseguiria...

30 minutos e saíu 1 franguinho delicioso, bem tostadinho, com batatas fritas!