segunda-feira, 29 de Novembro de 2010

Frango Estufado com Batata Doce

Em boa hora, o frango do campo encontrou-se com as três batatas doces...


Cortei em pedaços 1 frango do campo.
Temperei-o com sal e pimenta preta moída.
 Deixei-o tomar cor num tacho com azeite e 5 dentes de alho esmagados.
Cobri-o com 2 dl de vinho branco, 1 dl de vinho do Porto e 1 dl de brandy.
Tapei o tacho e deixei sobre lume brando até a carne do frango ficar tenra.

Entretanto, lavei e sequei 3 batatas doces grandonas.
Piquei-as com 1 garfo e levei-as ao micro-ondas na potência máxima, durante 5 minutos.
Virei-as, salpiquei com sal e deixei durante mais 7 minutos.
Cortei-as em rodelas bem grossas e deixei-as acompanhar o frango.

O encontro começou no tacho, com as batatas a mergulhar no molho do frango, durante uns 3 minutos e continuou no prato.

Podia ter assado as batatas no forno, podia... mas não em 12 minutos!

domingo, 28 de Novembro de 2010

Bifes com Molho de Natas e Brandy

Estes bifes só aparecem aqui porque «nadaram» muito bem num molho bem sucedido...


Temperei os bifes, quase na hora de os preparar,  com sal, alhos às rodelinhas e pimenta rosa e preta moída.


Fritei-os em azeite bem quente, dos dois lados e retirei-os para um prato.


Juntei meio copo de brandy, mexi, raspando o fundo da frigideira e juntei 1 pacote de natas.
Deixei sobre o lume até engrossar.
Juntei alguns grãos de pimenta preta.


Voltei a introduzir os bifes na frigideira para aquecerem bem, dos 2 lados.
Acompanhei-os com batatas fritas.


Para almoço de sábado (que costuma ser peixe...) foi uma bela surpresa, principalmente para o P que adorou!

sexta-feira, 26 de Novembro de 2010

Porco com Ananás e Camarão

Se alguém disser que faltam os cogumelos a este prato para ter a minha cara, eu terei de concordar...
Mas não esqueci os amigos coentros.

Temperei cubos de lombo de porco com sal, pimenta, alhos, 1 folha de louro e 1 colher de sopa de massa de pimentão dissolvida em meio copo de vinho branco.
Esperei cerca de 2 horas.
No tacho de barro coloquei 1 fio de azeite e 1 colher de sopa de banha.
Fritei os cubos de carne, escorridos.
Juntei a marinada, tapei o tacho e deixei-o sobre lume brando durante uns 20 minutos.
Destapei o tacho, juntei miolo de camarão, envolvi bem e deixei apurar por mais 10 minutos.
Antes de servir, fora do lume, juntei pedaços de ananás fresco e polvilhei com coentros.
Acompanhei com batatas fritas.

Nada de diferente, mas bem ao nosso gosto...
Espero que ao vosso também!

quarta-feira, 24 de Novembro de 2010

Ao Encontro da Castanha (Trilogia 3)

Nesta terceira trilogia, quis o Amândio que o Outono baixasse sobre as nossas cozinhas, na forma de encontro com as castanhas...
Eu fiz um pudim que acompanhou na perfeição 1 pedaço de lombo assado no forno.


Cozi castanhas congeladas, em caldo de galinha, temperado de erva doce.


Esmaguei as castanhas cozidas, com a ajuda de 2 colheres de sopa de manteiga e meio copo de leite quente.


Juntei 3 ovos inteiros e 1 colher de chá de erva-doce.
Envolvi bem com a colher de pau.


Deitei numa forma untada com manteiga e levei ao forno por cerca de 45 minutos.
Verifiquei a cozedura com o teste do palito.


Desenformei o pudim, quando frio.
Entretanto, arranjei uma romã, tirando os bagos para uma tacinha.
Temperei-os com uma colher de sopa do molho da carne.
Preenchi com eles o buraco central do pudim, rodeei-o com as fatias da carne assada e umas cebolinhas e servi.


Este comboio hoje ia quase, quase fazendo gazeta… 
Mas a vontade conjunta do trio Amândio, Luís e Ana supera qualquer dificuldade… até «asas» menos funcionais, lol!!!

domingo, 21 de Novembro de 2010

Dourada Recheada

Para além de ser uma dourada grandona, como eu gosto, esta ainda tinha umas belas de umas ovas...


Umas horas antes de entrar no forno, temperei-a com pedrinhas de sal e limão.


No tabuleiro de barro, coloquei azeite, alhos e cebolas roxas em meias-luas.


Sobre esta cama, deitei batatinhas novas com casca, salpicadas com sal, e levei ao forno quente durante 30 minutos.
Cozi também as ovas da dourada juntamente com camarões descascados.
Entretanto, piquei 1 pedaço de bacon, os camarões (descascados e cozidos), 1 quarto de pimento vermelho, 1 cebola branca, 2 dentes de alho e um punhado de folhas de coentros frescas.
Por fim, juntei ao picado as 2 ovas da dourada, cozidas e cortadas grosseiramente com a faca.
Temperei o recheio com sal e pimenta.


Espalhei o recheio, calcando bem com 1 colher, por dentro da dourada.


Fechei-a cuidadosamente (como se fosse 1 livro), apertando-a bem com as mãos.


Coloquei-a no tabuleiro onde assavam as batatas(que afastei com uma espátula, para criar espaço), polvilhei tudo com pozinhos de pimentão doce, reguei com azeite e borrifei com vinho branco,


Estiveram todos no forno, durante mais meia hora.


As batatas ficaram douradinhas.
A dourada, suculenta…
O recheio, incrivelmente saboroso!
Que mais se pode querer???


sexta-feira, 19 de Novembro de 2010

Lulas em Coroa de Arroz

Estas lulas são bem diferentes das que apresentei aqui, em tempos que já lá vão...


Coloquei azeite no fundo do tacho de barro, 2 dentes de alhos esmagados e 1 cebola roxa em meias luas.
Quando o azeite aqueceu juntei uns cubinhos de bacon.
Deixei fritar um pouco.


Depois foi a vez das senhoras donas lulas, arranjadas e cortadas em anéis.
Juntei 1 lata de leite de coco, em que dissolvi 1 colher de chá de caril em pó.
Envolvi bem e deixei que as lulas ficassem tenras, sobre lume brando.


Entretanto, cozi arroz em água e sal.
Escorri-o bem e arrumei-o dentro de uma forma, calcando bem com uma colher.


Depois desenformei, com cuidado, para 1 prato.


Preenchi o centro da coroa de arroz com as lulas e coloquei as restantes em volta da mesma.
Já no prato, salpiquei com coentros frescos cortados.


Saiu um almoço real (só por causa da coroa, lol!) em dia de cimeira...

quarta-feira, 17 de Novembro de 2010

Açorda de Bacalhau (Trilogia 2)

De pão, bacalhau, azeite, alhos e coentros se fez esta trilogia 2, cujo tema foi proposto pelo Luís.
Simples mas deliciosa, nada de especial mas capaz de evocar memórias bem guardadas, com pão desfeito ou às fatias, com ou sem ovo, mas sempre, sempre com coentros...


Cobri generosamente o fundo do tacho de barro com azeite e juntei dentes de alho esmagados.


Quando o azeite aqueceu, juntei 1 tomate, maduro mas firme, cortado em pedacinhos e 1 molho de coentros picados.
Deixei que se conhecessem por uns minutos, sobre lume brando.


Entretanto, escaldei 1 posta grandona e demolhada de bacalhau, em água a ferver, durante uns minutos.
Limpei-a de peles e espinhas e fi-la em lascas.
Juntei-as no tacho de barro e envolvi tudo.


Cortei fatias de 1 pão de Mafra que comprei há 3 dias.
Coloquei as fatias de pão num prato grande e fundo.


Deixei o bacalhau fritar um pouco no azeite e...
fui escalfando 2 ovos,  na mesma água em que escaldei o bacalhau.


Apanhei os ovos escalfados com uma espumadeira e deitei a água, por um passador, sobre o bacalhau.
Deixei retomar a fervura e...


...deitei tudo sobre as fatias de pão.
Esperei uns minutos para as fatias de pão amolecerem e embeberem o caldo de bacalhau.
Juntei os ovos e salpiquei com mais coentros picados.


Agora vou a correr espreitar a do Amândio e a do Luís...
Tenho um palpite que me diz que poderão ser tudo, menos banais !!!
Será ???????


sábado, 13 de Novembro de 2010

Calamares à ElePontes

Tomei a liberdade de os chamar assim, porque para mim é o que são...
Foram os primeiros que fiz sem salpicar mãos e cara com óleo, sem ficar com a cozinha num chavascal e que resultaram surpreendentemente deliciosos, graças a algumas dicas que recebi simpaticamente deste amigo!


Comprei lulas frescas, que a Maria arranjou, mas sem lhes tirar a pele.


Cortei-as em anéis largos (cerca de 5 ou 6) e os tentáculos ao meio.
Mergulhei os anéis em água a ferver, durante 10 segundos e, em seguida, passei-os por água bem fria.


Com a ajuda de um pau de espetadas, mergulhei, um anel de cada vez, em clara de ovo.


Sempre com a ajuda do espeto, passei por farinha.


Finalmente, passei-os em ovos batidos.


Finalmente foi só fritar em óleo bem quente e escorrer bem.


Salpiquei com sal fino e borrifei com gotas de sumo de limão.
Acompanhei com arroz de cenouras e ervilhas.


Lindos, não são?
Garanto que foram os melhores que comi até hoje...
Obrigada Luís!


quarta-feira, 10 de Novembro de 2010

Leite Creme (Trilogia 1)

Há boas ideias que saltam como as bolas de ping pong: nascem para cima do Douro,  descem até ao Tejo (passando por aqui) e resultam deliciosas, quer pelo resultado quer pelo espírito generoso de partilha...


Levei 1 litro de leite ao lume (mentira, do litro de leite retirei 1 copo que reservei).
Juntei 2 paus de canela e a casca fininha de 1 limão.
Deixei aquecer bem (quase até ferver).


Entretanto, num tacho, misturei 9 colheres de sopa de açúcar com 2 colheres de sopa de amido de milho (Maizena).
Juntei 10 gemas de ovos.


Misturei bem, com a colher de pau.
Juntei o copo de leite frio e mexi bem.


Levei ao lume mais baixinho do fogão e deitei, a pouco e pouco, o leite quente, mexendo sempre.


Deixei sobre o lume, até engrossar, sem parar de mexer.


Deitei o creme numa travessa e deixei-o arrefecer.
Polvilhei com açúcar e queimei-o, de seguida, com o ferro eléctrico que a colega Cris fez o favor de me emprestar (lol!). 


Este é o prato que me está a fazer companhia enquanto escrevo este post.

Como somos todos 3 diferentes, menos no gosto pela cozinha, o meu percurso na pesquisa desta fantástica receita foi baseado em perguntas e respostas, comparações de experiências e conclusões...
Obrigada a todos(as) os(as) simpáticos(as) que me ajudaram!
Fico à espera de nova proposta!!!!