segunda-feira, 31 de Janeiro de 2011

Polvo Cozido

Era para sair um polvo à lagareiro...
Mas quando duas amigas se juntam à conversa e ficam na galhofa, os ponteiros do relógio não param e ficou...  só cozido!
 Mas, para quem gosta de polvo, uma delícia.



Descongelei o polvo.
Coloquei uma panela com água, ao lume, e deixei-a ferver.
Introduzi o polvo, na panela, com 1 garfo e, quando a água deixou de ferver, retirei-o.
Voltei a metê-lo na água, quando esta retomou a fervura, e voltei a retirá-lo com o garfo.
Repeti esta operação 3 vezes.
Por fim, deixei-o cozer por 45 minutos, em lume brando.
Acompanhei-o com batatas cozidas, reguei com azeite e polvilhei com salsa cortada com a tesoura.


Estou especialista a cozer polvo, seja fresco ou congelado...


sábado, 29 de Janeiro de 2011

Linguados Fritos com Arroz de Berbigão

Hoje, foram cortados em 3 postas cada um...
eram uns grandões!


Para o arroz, usei cerca de 1 kg de berbigões que, coloquei de molho em água fria e sal durante umas horas, abri sobre lume forte e retirei das cascas.
Guardei o liquido de abrir o berbigão, depois de coado.
Rebolei o miolo de berbigão,em azeite quente e alhos picados.


Em seguida, juntei 1 chávena de arroz e deixei-o absorver o azeite
Depois, foi a vez do líquido do berbigão, misturado com 3 colheres de sopa de polpa de tomate.
Quando o liquido foi todo absorvido, fui juntando água quente, a pouco e pouco.
Não usei sal, mas sim uns 3 pés de coentros picados.


Passei as postas de linguado, temperadas com sal, por farinha de milho e fritei-as em óleo quente.
Escorri-as sobre papel absorvente.


Por fim, foi só juntar os dois: peixe e arroz.


Ficaram assim, os dois, a fazerem uma bela combinação de sabores...

quarta-feira, 26 de Janeiro de 2011

Leva-me aos Fados (Trilogia 12)

Quem nos levou aos fados foi o Amândio, ao Luís e a mim...
Não sendo este o meu género musical preferido e, perante a proposta de preparar um prato para alguém do mundo do fado, escolhi a Ana Moura por considerar que é uma fadista dona de uma voz fantástica… e com as portas abertas ao Mundo!

Escolhi uma Salada César, por ser uma comida tipicamente norte-americana (como a música de Prince), aliada ao azeite (tão português como a voz de Ana Moura e tão tradicional como o próprio fado).

Pela primeira vez fiz croutons em casa.
Cortei 4 fatias de pão de forma, em cubos, e coloquei num tabuleiro.
Temperei com sal, alhos picados, reguei com um fio de azeite e envolvi.
Levei-os a dourar no forno.


Entretanto, preparei a salada:
separei as folhas de uma alface, lavei-as, escorri-as e sequei-as.
Esfarrapei as folhas com as mãos e coloquei-as numa saladeira de madeira.

Desfiei, grosseiramente, 2 peitos de frango grelhados.
Coloquei-os na saladeira, com a alface, envolvendo também os croutons.


Chegou a vez do molho.
Misturei muito bem:
- 2 dentes de alho picados finamente
- 3 colheres (sopa) de vinagre de vinho branco
- 3 colheres (sopa) de queijo parmesão ralado finamente
- 1 colher (sopa) de mostarda de Dijon
- 1 lata de filetes de anchovas (de 80 g) picadas finamente (demolhei-as em água fria, durante 2 horas)
- 2 colheres (chá) de molho inglês
- 2 colheres (chá) de sumo de limão
- 1 colher (chá) de mel
- 1/2 colher (chá) de pimenta preta moída no momento
- 1/2 colher (chá) de sal fino

Juntei 125 ml de azeite em fio, batendo sempre com uma vara de arames (deve usar-se uma taça de madeira para fazer o molho).
Adicionei, ainda, lascas de queijo parmesão!


Temperei a salada com o molho e servi de imediato.


Não faço a mais pálida  ideia se a Ana Moura gostaria desta salada leve, antes de um concerto... sabe-me bem imaginar que sim!
Tenho é a certeza de que estas trilogias,  todas as quartas-feiras, me estão a dar um grande gozo.
A minha cozinha está a mudar?
Se está, é para bem melhor e a cozinheira de serviço vai crescendo com elas...


segunda-feira, 24 de Janeiro de 2011

Pato Estufado com Puré e Laranja Amarga

Quando cozinho pato, quase sempre sai arroz!
Mas achei este aqui, bem diferente e original, que me ficou a martelar nas ideias, não só pelo pato mas também pelo acompanhamento...


O senhor pato chegou à minha cozinha, assim, inteiro e desafiador.
Cortá-lo em pedaços não foi tarefa fácil, até tive de recorrer à ajuda de autênticas armas de guerra, como faca, tesoura e machadinha.
Temperei-o com sal, pimenta preta, pimentão doce e 2 folhas de louro.
Estufei-o, durante cerca de 1 hora, na panela de pressão, com azeite, alhos esborrachados, 1 cebola roxa picada e meio copo de brandy.


Coloquei os pedaços do pato estufado e o molho num tabuleiro e levei ao forno, uns 20 minutos, para tostar a carne do pato.
Entretanto, cozi batatas em água e sal.
Escorri-as e esmaguei-as com a ajuda de leite quente, onde deitei um bom pedaço de manteiga.
Já no prato, cada um misturou, no puré de batata, 2 ou 3 colheres de chá de doce de laranja amarga.


Conclusão: pato estufado é mesmo bom, mas a verdadeira surpresa foi o puré com doce de laranja amarga...

Por aqui, houve narizes torcidos à ideia, mas, depois de provarem, houve rendição total...


domingo, 23 de Janeiro de 2011

Frango no Forno com Ervas de Provence


As Ervas de Provence não são mais que uma mistura de ervas, da região francesa da Provença: tomilho, alecrim, segurelha, manjerona e manjericão.
E eu resolvi experimentá-las no frango assado…


Cortei o frango, pelo meio, longitudinalmente, dei-lhe uns cortes nos peitos e nas coxas, rodeei-o com batatas cortadas em rodelas grossas, cebolinhas e temperei tudo com sal, pimenta preta, pózinhos de pimentão doce e fatias de alhos.
Reguei com azeite e vinho branco.
Polvilhei com ervas de Provence.


Levei ao forno até o frango e as batatas assarem.
Faço o teste do palito, como nos bolos: quando sai liquido transparente dos peitos e coxas do frango (em vez de rosado) é porque está pronto.


O cheirinho chega até aí???

sexta-feira, 21 de Janeiro de 2011

Cantaril no Forno com Presunto

Há sábados em que somos só dois no almoço... a única vantagem é ter menos um a refilar com o peixe.
Desta vez foi cantaril no forno!


A Maria arranjou o peixe e deu lhe um corte ao meio, sem separar.
Coloquei-o na assadeira de barro, temperei-o com sal e pimenta, alhos picados e reguei-o com azeite e vinho branco.
Juntei ainda umas farripas de casca de limão cortadas bem fininhas, dentro da barriga do peixe..
No corte do meio e dentro da cabeça, coloquei fatias de presunto.
Rodeei-o com quartos de batatas e cebolinhas salpicadas de sal.


Levei ao forno, ate assar.


Na última foto não parece, mas ficou BB: bom e bonito!

quarta-feira, 19 de Janeiro de 2011

Um Chili (Trilogia 11)

Ao propor leguminosas, para esta 11ª Trilogia, o Luís lançou-nos, a mim e ao Amândio, num oceano de cerca de 20 000 variedades das ditas cujas… Depois de algumas indecisões, meti-me pelo caminho mais seguro:
fiz um chili bem português e bem ao gosto cá de casa, já que o original mexicano é bem mais condimentado…


Comecei por cozer feijão vermelho, na panela de pressão, com água e sal, 1 cebola e 1 folha de louro, durante cerca de meia hora.
Depois escorri-o e reservei.


Num tacho com 1 fio de azeite, deitei uma cebola, grande e roxa, cortada em meias luas e 5 dentes de alho picados.
Deixei a cebola estalar no azeite quente.


Juntei 3 fatias de bacon, cortadas em quadrados, e umas tiras de pimento vermelho.
Deixei fritar um pouco.
Temperei com sal, cominhos, oregãos e piripiri (usei 1 colher de café de cada um destes 3 últimos).


Juntei meio quilo de carne de vaca picada, envolvi bem e deixei tomar cor.
Tapei o tacho e deixei, sobre lume brando, uns 20 minutos.
Por fim, foi a vez de 2 colheres de sopa de polpa de tomate e do feijão cozido se juntarem à festa.
Deixei que todos se envolvessem e apurassem.


Servi bem quente com folhinhas de hortelã para refrescar a língua (lol)...


Agora, é começar já a pensar na próxima, a 12ª,  que não vai ser nada fácil, pois o Amândio não facilitou nem um pouco...
Resolveu pregar partidas aos companheiros alfacinhas que, apesar das insónias, estão a achar-lhe muita graça (falo por mim, claro!)...

domingo, 16 de Janeiro de 2011

Xaputa Frita com Arroz de 3 Cores

Às vezes, a Maria faz-me surpresas... desta vez era uma xaputa à minha espera.
Ela sabe que, cá em casa, é o peixe que não levanta quaisquer reclamações...

Temperei o peixe com sal, enquanto o óleo aquecia.


Passei por farinha de milho branca e fritei no óleo bem quente.
Escorri sobre papel absorvente.


Entretanto, coloquei azeite, alhos picados e umas rodelas fininhas de chouriço num tacho de barro e levei ao lume.
Deixei aquecer bem e o chouriço fritar um pouco.


Juntei, então, 1 tomate maduro em pedacinhos e meio pimento verde e outro meio amarelo em quadrados.


Deitei 1 chávena de chá de arroz, deixei-o absorver o liquido que entretanto se formou e fui juntando água quente aos poucos.
Deixei-o cozer, com o tacho destapado, sem nunca deixar secar completamente.


O prato, lá em cima, não tem pimento verde, porque era o do P e ele, simplesmente,  pesca-o todo...

sexta-feira, 14 de Janeiro de 2011

Frango do Campo Estufado

Nada de novo nem de especial... mas bom de verdade!


Na véspera, cortei 1 frango do campo em pedaços, temperei com alhos, sal, pimenta preta e brandy e deixei ficar.


No tacho de barro, coloquei 1 fio de azeite e 3 dentes de alho esmagados.


Juntei os pedaços de frango com a marinada e reguei com mais 1 copo de vinho tinto.
Tapei o tacho e deixei estufar durante cerca de 1 hora, em lume muito brando.
Deixei apurar o molho, durante uns 10 minutos, com o tacho destapado.
Acompanhei com batatas fritas e grelos cozidos.


Pois é... os grelos são porque «mudam-se os tempos, mudam-se as vontades»...
E também porque não sou de todo impermeável!
lol

quarta-feira, 12 de Janeiro de 2011

Pizza (Trilogia 10)

Gosto de pizzas!
Foi por isso que as propus ao Amândio e ao Luís, para tornarmos esta 4ª feira de 10ª trilogia mais levezinha...


Comecei pela massa, que é sempre a mesma, em casa e na escola (também faço pizza com os miúdos) .
Misturei 2 chávenas de farinha com meia chávena de azeite e meia chávena de leite.
Amassei, com as mãos, até formar uma bola que não colava às mãos.
Deixei-a descansar durante 10 minutos.


Estiquei-a, com o rolo, sobre o tabuleiro, forrado de papel vegetal.
Depois, levei-a ao forno durante 5 minutos, a pré cozer.


Entretanto fiz molho de tomate com azeite, alho picado, cebola picada a alourar em lume brando.
Juntei 1 lata de tomate em pedaços com mangericão e oregãos.
Deixei-o apurar um pouco e espalhei-o sobre a massa pré cozida.


Escaldei e descasquei camarões.
Escaldei e tirei as conchas a uns mexilhões.
Arranjei cogumelos que cortei em fatias.
Cortei pimento verde, vermelho e amarelo em tiras.
Cortei-os todos, menos os mexilhões e o as fatias de cogumelos, em pedaços pequenos.


Espalhei-os sobre o molho de tomate.
Acrescentei ainda rodelas de linguiça de porco preto e umas azeitonas, cortadas ao meio e descaroçadas.
Salpiquei abundantemente com queijo mozzarella ralado.


Levei ao forno até derreter o queijo.


Já ganhou asas a ideia desta trilogia...
Quem não acreditar, espere para ver!

sábado, 8 de Janeiro de 2011

Camarões Gratinados

Chegaram ao meu congelador uns camarões bem grandões a pedir um tratamento diferente do habitual, aqui em casa... 


Descongelei os camarões.
Descasquei-os, retirei-lhes a cabeça e abri-os ao meio, retirando um filamento escuro ao longo do corpo e mantendo o rabinho.
Espalmei-os num pyrex, untado de azeite, salpiquei-os com sal, pimenta moída e pozinhos de pimentão doce.
Temperei-os ainda com dentes de alho picados, pedacinhos de folhas de louro e reguei com mais azeite e meio copo de brandy.


Levei ao forno por alguns minutos.
Retirei do forno, juntei cogumelos frescos, em fatias grossas, e cobri com queijo ralado.


Voltou ao forno, só para derreter o queijo.


E… nada mal!
Nem o aspecto nem o sabor... diria até que ficaram muito bons.

quarta-feira, 5 de Janeiro de 2011

Bifes que brincam com o Fogo (Trilogia 9)

E o Amândio chutou bife para a 1ª trilogia de 2011...
o Luís e eu aguçamos logo a dentadura, lol!


Fritei os bifes, dos 2 lados, em margarina, temperados com dentes de alho em rodelinhas.


Salpiquei-os com pedrinhas de sal e pimenta preta moída.


Juntei alguns cogumelos frescos, fatiados.


Reguei-os com meio copo de brandy e puxei-lhes fogo com um fósforo.


Nada de sustos: o fogo extingue-se em poucos segundos.


Então juntei 1 pacote de natas e deixei sobre o lume até fazerem um molho grosso que envolveu os bifes e o cogumelos.
Claro que acompanhei estes bifes especiais com batatas fritas.


Eram uns bifes um pouco feiosos e  um tanto ou quanto desarrumados, mas não deixaram de saber aproveitar este tratamento especial…
E vão 9!