quarta-feira, 30 de Março de 2011

Bolo de Chocolate e Cerveja (Trilogia 21)

E foi graças à proposta do Amândio, de usarmos cerveja nesta 21ª que, aqui por casa, quase virou a semana da cerveja.
Não é, de todo, um hábito enraizado o uso da cerveja na minha cozinha...
Claro que o Luís também embarcou!



Este bolito foi um dos resultados da entrada livre da cerveja na cozinha da Anna.
Bati 3 colheres de sopa de manteiga com 4 gemas e 6 colheres de sopa de açúcar mascavado.
Misturei 7 colheres de sopa de farinha (com fermento) com 5 colheres rasas de chocolate em pó.
Juntei-os à massa, alternando com 1 cerveja preta de 33 cl.
Envolvi, por fim as 4 claras batidas em castelo.
Deitei a massa numa forma com chaminé, untada com manteiga e polvilhada de farinha.
Levei ao forno, cerca de 40 minutos.


Desenformei o bolo e deixei-o arrefecer.
Levei ao lume 1 pacote de natas com 150 g de chocolate de barra.
Quando o chocolate derreteu, mexi bem a mistura de natas/chocolate e cobri o bolo.
Levei ao frigorífico, para endurecer a cobertura.


Bonito, bonitinho, não ficou...
Acidentes, acontecem, até aos bolos...
Se não conseguem adivinhar o bom do sabor  (aposto que não!), o melhor é experimentarem fazê-lo...

segunda-feira, 28 de Março de 2011

Arroz de Pato à ElePontes

Não é 4ª feira, dia de trilogia, não...
O tempo só se adiantou 1 hora e não 48.
Mas sim, este é o arroz de pato no forno, feito pelo Luís (na 14ª) e copiado por mim...


Cozi o pato, em água e sal, na panela de pressão, até ficar muito tenro.
Limpei-o de peles e ossos e fiz em pedaços.
Retirei alguma gordura da água de cozedura do pato, coloquei-a num tacho e refoguei nela 2 cebolas às rodelas, 3 dentes de alho esmagados, 1 folha de louro e noz moscada.


Quando a cebola começou a alourar, temperei com pimentão doce e juntei meio chouriço partido em rodelas.
Juntei também os pedaços de pato, temperei com sal, pimenta e salsa picada grosseiramente. 


Cozi arroz no caldo de cozer o pato, deixando-o ainda rijinho.
Coloquei três quartos do arroz, escorrido, numa assadeira.


Por cima, espalhei o refogado de pato.


Cobri com o arroz restante e decorei com rodelas de chouriço.


Levei ao forno uns 20 minutos.


Fez toda a diferença usar a gordura do próprio pato, em vez de azeite, no refogado com a carne do dito cujo.
Arroz 5 estrelas, este...

sexta-feira, 25 de Março de 2011

Pescada Recheada

Não senhor, desta vez a pescada não foi recheada com queijo e fiambre...
Quase nada disso!!!!!


Era uma pescada grandona, a quem foram retirados a cabeça e o rabo.
Espalmei o centro (sem espinhas), temperei-o com sal, alhos picados e sumo de laranja.


Cobri-a com fatias de presunto.


Sobre estas, coloquei fatias de queijo flamengo.


Fechei o centro de pescada com palitos, de forma a ficar bem preso.
Passei-o por farinha.


Levei-o a estufar em azeite com alhos esmagados e 1 cebola em meias luas.
Reguei com o sumo de uma laranja e polvilhei com salsa. 
Juntei no molho batatas cozidas e deixei-as tomar o sabor do molho de laranja.


Não usei mais sal por causa do sabor salgado do presunto.


Nada mau, para um jantar de sexta-feira, fim de uma semana comprida e bem cheia...

quarta-feira, 23 de Março de 2011

Rissóis de Alheira (Trilogia 20)

Decretou o Luís que a alheira reinasse nesta 20ª trilogia de quarta-feira.
Amândio e eu lá nos desembrulhámos da tarefa!!!!
E não me pareceu nada mal...


E porque não caçar dois coelhos de uma só vez?
Os rissóis, que iam sair de camarão, saíram de alheira..
E (sem falsa modéstia...) que bons ficaram!


Primeiro, fiz a massa:
coloquei, num tacho e, levei ao lume, 1 chávena de água com 1 pitada de sal, 1 colher de sopa de manteiga e 1 casquinha de limão.


Quando a água ferveu, retirei a casquinha de limão e o tacho do lume.
Deitei, de uma só vez, 1 chávena e meia de farinha (sem fermento) e mexi rapidamente, com a colher de pau.
Voltei a colocar o tacho no lume, durante uns dez segundos, até a massa cozer e se despegar do fundo do tacho.


Despejei-a na pedra da cozinha e, depois de arrefecer um pouco, trabalhei-a com as mãos até se tornar lisa e elástica.
Para o recheio, tirei a pele a uma alheira.
Cozi 1 peito de frango em água temperada com sal e umas rodelas de cenoura.
Piquei-o juntamente com uns pezinhos de salsa e misturei-o com a massa da alheira, com a ajuda de 1 garfo e algum caldo de cozedura do frango.


Estiquei a massa com o rolo, coloquei 1 colher de sopa cheia de recheio, dobrei e cortei com o rebordo de um copo largo.


Passei-os por ovo batido, pão ralado e...


...fritei-os em óleo quente.
Para lhes fazer companhia, fiz um arroz de cogumelos, açafrão e salsa.


Com esta trilogia acabou, por aqui, a era AR (antes dos rissóis) e começou a era DR (depois dos rissóis)...
E agora será bom que o Amândio se despache a fazer o ditado, que outros valores mais altos se levantam...

segunda-feira, 21 de Março de 2011

Galinha Estufada com Ervilhas Tortas

Galinha estufada, cá em casa, é quase sempre com vinho tinto...
Desta vez, fizeram-lhe companhia umas rodelas de cenouras e umas ervilhas tortas...


Deixei os pedaços de galinha, toda a noite, numa marinada de vinho tinto, sal, pimenta, dentes de alho esmagados e 2 folhas de louro.
No dia seguinte, deitei 2 colheres de banha e um pouco de azeite, no tacho de barro.
Alourei, nesta gordura quente, os pedaços de galinha e os dentes de alho esmagados.
Cobri a galinha com o vinho da marinada, tapei o tacho e deixei-a estufar durante cerca de 1h 30.
Nos últimos 15 minutos, juntei 3 cenouras cortadas em rodelas e 300 g de ervilhas tortas, às quais tirei os fios laterais e quebrei em 2 ou 3.
Deixei apurar o molho e servi com batatas fritas.


Foi assim a despedida do Inverno, à mistura com as boas vindas à Primavera...

sábado, 19 de Março de 2011

Lulas Gratinadas

Não me apetecia rechear as lulas... nem gratinar com sopa de cebola!
Saíram assim:

Cobri o fundo do tacho de barro preto com azeite e juntei 3 dentes de alho esmagados e  uma cebola grandona, em pedaços.


Quando o azeite aqueceu, deitei 6 lulas cortadas em anéis grossos e deixei-os rebolar.
Salpiquei com salsa.


Deitei, no tacho, meio pacote de polpa de tomate e 1 colher de sopa bem cheia de mangericão.
Tapei o tacho e ficaram a estufar, em lume brando, durante uns 20 minutos.
Juntei-lhes 2 colheres de sopa de natas, 2 colheres de sopa de béchamel e 2 de queijo ralado.
Mexi bem.
Temperei de-sal e pimenta.


Entretanto, fritei batatas que, depois de bem escorridas, coloquei no fundo de uma assadeira, salpicadas com sal fino.


Por cima das batatas, deitei as lulas com o molho.


Cobri com colheradas de mais béchamel e queijo ralado.
Levei ao forno durante 15 minutos.


Ficaram boas!
Gosto que as batatas fritas se embebam no molho...

quarta-feira, 16 de Março de 2011

Galinha com Caju (Trilogia 19)

Nesta 19ª trilogia terei de me assumir como culpada pelo tema «frutos secos»...
Acho que o Amândio e o Luís gostaram tanto quanto eu!
Aqui saiu galinha com caju...


Cortei 2 peitos de galinha aos cubinhos e temperei-os com sal, pimenta, pimentão-doce, alhos às rodelas e 1 folha de louro.
Reguei-os com brandy.
Deixei-os descansar durante a noite no frigorífico.


Cortei, em tiras, meio pimento e 3 cenouras.
Escorri uma lata de ananás, cortei as rodelas em pedaços e guardei a calda.


Aqueci azeite numa frigideira larga.
Juntei os cubos de peito de galinha e deixei-os alourar durante uns minutos.
Juntei as tiras de cenoura e de pimento e os pedaços de ananás.


Juntei também 1 chávena de caju e deixei cozinhar mais uns 5 minutos.


Misturei 2 colheres de sopa de molho de soja, com o brandy da marinada e a calda de ananás.
Juntei ainda 1 colher de chá de gengibre moído e deitei tudo na frigideira.
Deixei levantar fervura, tapei a frigideira e deixei cozinhar por uns 10 minutos.
Destapei a frigideira para apurar o molho.
Temperei com sal e pimenta.


Servi sobre um colchão fininho de arroz branco que. entretanto, cozi.


E cá vamos a caminho da 20ª, desta vez sob a batuta do Luís...

segunda-feira, 14 de Março de 2011

Doce de Laranja Amarga

Hoje não há receita!
Segui, passo a passo, esta receita do ElePontes... até as famosas laranjas amargas vieram ter comigo à escola.
lol!!!!
E obrigada… à mensageira. 

Comecei por arranjar um laminador.
Na escola emprestaram-me 3, todos XPTO.
Respeitando a advertência de que o ácido estraga as lâminas, acabei por comprar um por 1,5 euros.
Conclusão: laminei a 1ª laranja e a lâmina pifou.
As restantes 4 laranjas e limão acabaram meios ralados, meios laminados e lá se deixaram cobrir de água.


Coloquei os caroços num copo, também cobertos de água.
Passadas 36 horas, a água engrossou mas não segurou a colher como eu esperava.


Levei tudo ao lume,  o tempo certo, juntei o açúcar e deixei ferver, em lume brando, mexendo para não pegar.


Deixei arrefecer.


Ficou uma delícia única de doce!
Experimentem sobre tostas e queijo de cabra, se não acreditam!

sábado, 12 de Março de 2011

Arroz de Camarão e Ameijoas

Este arroz só teve a companhia séria de ameijoas, camarões e coentros...
E ficou bem bom! 


Abri as ameijoas (que estiveram 2 horas, de molho, em água e sal) e cozi camarões frescos, em água temperada com sal.


Descasquei os mariscos e reservei-os, assim como a água da cozedura do camarão e o liquido  largado pelas ameijoas.
Misturei-os, depois de coados.


No tacho de barro, deitei azeite, cebola roxa, grosseiramente picada, quadrados de pimento verde e de bacon, 1 tomate em cubos e 1 folha de louro.


Quando o azeite aqueceu, juntei o arroz e deixei-o envolver-se com quem estava já no tacho.


Juntei o liquido dos mariscos que tinha reservado, assim com uma mão cheia de ameijoas não abertas.


Uns cinco minutos antes de o arroz estar pronto, juntei os camarões descascados e deixei-os cozer.


No final, polvilhei com coentros picados.


Esqueci de dizer:
fui juntando a água necessária para que o arroz não deixasse de ficar malandrinho...